quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

HAPPY 2012


Hoje tive a companhia do Pai Natal e das Renas e embora esteja novamente em Portugal, foi como se estivesse no shala em Mysore, o calor era tanto que o Sr. das Barbas dispensou o casaco e o barrete, uma das Renas ficou verde de tanta retroflexão e eu quase que senti os ajustes do meu professor, dos quais confesso já sentir muitas saudades;)). Uma boa entrada em 2012. Boas práticas.




*ilustração Boonchu Tanti

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Perfil do Professor - Tim Feldmann



Lembrei-me de começar um ciclo de entrevistas com os professores que passaram ou que vão passar pelo nosso Ashtanga Cascais e que as suas respostas servissem como directrizes para a construção de um perfil de Professor. Não podia deixar de iniciar este projecto, com a entrevista ao meu querido amigo e professor Tim Feldmann.

Para os que tiveram o privilégio de o conhecer, com toda a certeza que recordarão os dias do workshop de Cascais, neste Setembro passado, das suas palavras e do seu jeito simples e tão especial de partilhar as suas perspectivas sobre o Yoga. E para aqueles que ainda não o conhecem, encontrarão inspiração para a continuidade neste processo, caminho e viagem interna e externa que é praticar este Ashtanga Yoga.

How Ashtanga Yoga appear in your life, and when did you decide that this Yoga system would be your daily practice?
In 1992 I had an accident where I broke my knees, feet, elbow, nose and had a a bunch of soft tissue damage. I was a young dancer at the time and I spend 2 years rehabilitating, learning to walk prober and move again. I was lucky and stubborn enough to pick up my dream again of living and dancing in new york city. It was where I was introduced to yoga by a friend and dance teacher and soon I began studying yoga at Jivamukti. It brought me in daily contact with a sub-layer of myself which I could only touch occassionally through dance, a psyco-emotional kinda spiritual layer that felt like coming home. I had practiced the Jivamukti style for 4-5 years when I met Lino Miele (senior Ashtanga Yoga teacher) in a weekend workshop in Copenhagen/Denmark, my city of birth, and it was an instant fit. I have practiced Ashtanga Yoga since.

What was or is the biggest obstacle to your practice?
As I mentioned I have had some serious physical ailments to heal and care for and still to this day I need to check in with certain places in my body on a daily basis to see how available they are to me. It defines my practice as well as my state of mind. I have had to become very very aware and seek a lot of information to be able to sustain my practice. But opening a yoga shala (Miami Life Center) in 2006 took an momentary toll on progressing in my practice as there was always too much work to do and not always enough mental capacity nor hours in the day. The shala is now established and doesn't take the same amount of care as it did the first years. I now find time for more satisfying sadhana again.

What was or is the biggest inspiration to your practice?
At first, Lino and his practice and all the yogic information he carried with him was like a whole new world cracked open for me. He set me on fire! And again later when I met Guruji some of that information began to settle into me in a truly healing and wonderful way. There has been a few other magnificent individuals like that over the time of my studies .. My wife, my close friend Greg Nardi, Tim Miller and a few others.
And of course my physical injuries have been as much a blessing as an obstacle. I have learned more from the periods where I could hardly move than in most other situations in my life. Dealing with injuries has not been an easy path for me but a true teacher on all levels. Just as the Yoga Sutras talk about life as essentially a state of suffering from which we can derive the sufficient self-knowledge to find a way out, so has my body helped me towards a deeper understanding of the practice, of teaching, of myself, of this life and my relationships with other people. It's been huge. But, it is one of these gems that you're not sure if you want for any other people!


With your experience as an Ashtanga Yoga teacher, and by teaching so many Ashtanga practitioners from different parts of world, do you see any common difficulty that they find in the practice?
Steadiness (of mind) seems to be a universally common one, but of course that is no surprise as we already know that from pretty much any significant text on yoga! Dealing with pain, fear, doubt and finding how to submit oneself to oneself beyond the thin crust of the ego-artistical grip is another one that is at the forefront when we teach this method. That again is (yoga) textbook stuff and it shows its face in so many ways on the practice floor. How do we deal with dropping back for the first time? How do we get the mind moving again when it locks down on a particular situation (read fear) such as a knee pain? How do we surpass our patterns and emotional attachments towards what we eat, when we sleep, who we share with, how we share with other people and so forth .. In the face of realizing that something particular that we do/feel/like/think might feel natural and somewhat fulfilling while obvious negative repercussions are surfacing in front of our eyes? How do we deal with that when our practice begins to slowly remove the veil and make us see clearer and think slightly different? How do we deal with the duality and confusion we suddenly experience? That is the kind of issues I believe I see almost everywhere I go and which inspires me to seek more information. And of course there are physical issues too, like padmasana, marichyasana D and so forth, which is difficult for most western bodies and minds to succumb to.

If you had to advice practitioners about the best way to keep a strong, consistent, long term Ashtanga practice, what you would say?
Listen to Guruji. Listen to the Patanjali. Practice frequently, practice mindfully, practice not for the maximum you can squeeze out of your body today but for how to make your practice tomorrow more wholesome. Find the good teacher and stick to one method. Allow ups and downs in your practice; allow boredom, inspiration, juicyness, fatique and any other emotion/sensation/state of mind yet maintain your relationship with your yoga mat - without it you loose your sight and your parameter.

And when you think about your own practice, which is the first word that appear in your mind?
2nd phase!
I am in my mid 40s and my body is in a huge change. It feels very different from 10 years ago. I am learning to move in a whole new body these days. It is fun, weird, frustrating and surprising - it teaches me sooo much. I think we are better friends than we ever were. I used to order it around telling it what to do and when to do it. Now I have to listen, ask nicely and sometimes send in request forms before I can commence with something I want it to do! I think that is ultimately much more healthy for both of us.

Thank you Tim.
You are such a great and inspiring person.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

I´m not doing it!


"Não faço isto... hoje eu não vou fazer isto... não faço... ele está ali de costas, agarro o mat e pisgo-me daqui, nem vai dar pela minha falta... AHHHH cala-te mulher, foca-te, respira e faz... 1...2...3... inspira e vai para trás e entrega a Deus... AHHH não consigo!... estou perra... dói-me as costas... não quero fazer isto... só me apetece chorar... Mãeeeeeeeeeee.... o que eu dava por um abraço, hmm da avó Lucinda, que nunca mais vou ver... ahhhhhhh que medo... não percebo de onde é que isto tudo está a vir... ups, ele já está a olhar para mim, tenho de fazer isto... coragem... respira... calma... é só lembrar-te da técnica, focar na respiração, isto é só mais uma postura... não há razão nenhuma para este drama... respira... Mulher respira... vai... 1...2...3... vai e entrega a Deus..."


Existem posturas que trazem alguma dor ou incomodo emocional, mental e infelizmente, físico. Para melhor nos protegermos e ao mesmo tempo conseguirmos superar estes obstáculos e alcançarmos um estado de maior tranquilidade durante a nossa prática de asana, há que ajustarmos a técnica e o alinhamento ao nosso próprio corpo, reconhecermos o nosso potencial e ao mesmo tempo, respeitarmos as nossas limitações e sem ambições infantis ou projecções de um Ego com vontade de brilhar, compreendermos e aceitarmos exactamente onde está o nosso corpo, a nossa mente e a nossa alma e com paciência e serenidade analisar as reacções que a postura nos traz, quer seja boa ou má, o Yoga começa ali, quando estamos em cima do tapete e temos de ouvir o frenesim dos nossos pensamentos, sentirmos todo um rol de emoções e com discernimento, a rir ou a chorar, simplesmente conseguirmos estar presentes.Eventualmente o ciclo de pensamentos acalma, as emoções deixam de ser tão intensas e opostas e a postura começa naturalmente a acontecer, fruto da nossa entrega, inteligência e trabalho.




*Eira Adeli, Ashtanga Cascais, 2011

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Mysore 11


























We learn to stay on the task...


Estamos a chegar a mais um final de ano e com toda a certeza que este próximo 2012, será muito exigente, espero que a vossa prática de Ashtanga Yoga, sirva de animo, inspiração e motivação, para terem a confiança, a energia e a "garra" para superarem qualquer obstáculo que apareça no vosso caminho.


Se há coisa que esta prática ensina é que "(...) We might observer our tendency to overcompensate, or the inability of our mind to stay focused on the posture, or the tendency of our breath to become shallow or disconnected. The specifics of our observation are less important that the fact that we learn to stay on the task, observing-correcting, observing-correcting, using technique and countertechnique, and then letting them go to be there for whatever is presenting itself without the distractions of concluding, projecting, accepting or rejecting. Observing our body as the field of the practice, we gradually begin to see interrelated processes and patterns within the mind, the body, and the breath as they occur, and this allow us to fall into a very deep state of meditation". Richard Freeman, "The mirror of Yoga - Awakening the Intelligence of Body and Mind", Shambala Publication, Inc., 2010


Começamos todos por aprender a respirar, uma respiração estável e ritmada, que permita entrar, permanecer e sair de cada postura (vinyasa) com a mente atenta e focada, posteriormente vamos conhecendo a correcta forma de executar as posições, assim como os drishtis e os bandhas. Desenvolvemos as técnicas do Ashtanga Yoga, delineado por Shri K. Pattabhi Jois (1915-2009) e percebemos que estas são meros veículos para a concentração, consciência e observação, primeiro dos padrões da nossa respiração, depois do nosso corpo e da nossa mente.

Somos gradualmente levados para a vivência do presente, sentimos realmente a nossa inspiração e a nossa expiração, o esticar do braço esquerdo, o levantar da perna, o dobrar para trás, reconhecemos um corpo, o nosso corpo, reparamos como funciona o processo de identificarmos, catalogarmos, analisarmos, projectarmos. Traçamos teorias e conclusões, distinguimos bom do mau, fácil do difícil, ágil do pesado, todo um mundo de oscilações que nascem e são perpetuadas pela nossa mente, opostos que influenciam a nossa forma de pensar e agir.

Esta prática utiliza o corpo como meio concreto de sentirmos e observarmos o poder da nossa mente, de cruzarmos análises face aos nossos vrttis (oscilações da mente) e samskaras (padrões de pensar, sentir e agir), de traçarmos teorias sobre como executarmos as posturas, como respirarmos nestas, de verificarmos como unimos objecto, pensamento e emoção, mas chega a uma altura que temos de largar todos estes conhecimentos, largar o 1% de teoria e saborearmos os 99% de prática, raízes fortes para simplesmente estarmos, para sermos, respiração, corpo e mente, para sermos um e sem distinções de opostos, sem caracterizações ou monólogos mentais e emocionais, vivemos uma prática e uma vida, onde existimos plenamente.

Aprendemos a estar em nós mesmos, a estar no momento, a mantermos-nos na "tarefa" até ao fim, aumentamos os conhecimentos sobre nós mesmos, a nossa confiança e crença, o nosso discernimento e "garra" para ultrapassamos as dificuldades no tapete e fora deste. Aprendemos a estar na "task", a estar presentes.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Food, Yoga & Life





Se nunca pensou sobre a sua alimentação e sobre o poder e influência dos alimentos que ingere, na sua prática e na sua vida, sugiro que se sente e verifique o seguinte : como é que normalmente se sente antes, durante e depois da sua prática de Yoga e qual é a sua disposição face às suas obrigações quotidianas? Tende a acordar cansado? Está no tapete com a cabeça a mil? Depois da prática, não consegue encontrar energia no seu corpo para ir trabalhar, levar as crianças à escola, ou simplesmente passear o seu cão? Opta por obrigar-se a tomar grandes chávenas de café para aguentar a sua jornada de trabalho?Questione-se sobre a sua maneira de sentir, pensar e agir durante a sua prática e o seu dia. Depois pense em como é que normalmente se alimenta, se toma o pequeno-almoço, se almoça e se janta em demasiada quantidade? Se consome excesso de alcool, fritos, açúcar, produtos refinados... excesso de hidratos de carbono... a seguir leve a sua mente a avaliar como é o seu processo de digestão e se tem facilidade ou não com o seu sistema excretor. Pergunte-se a si mesmo como é que fica depois de comer determinado alimento e refeição, este pequeno exercício mental é simples, basta fazermos uso das informações fornecidas pela nossa digestão e excreção e também pelos detalhes enviados pelo nosso sistema nervoso, que se pararmos e pensarmos, denotamos como ele nos mostra as nossas reacções físicas, mentais e emocionais.

Dayna Marcy, no seu artigo EAT LIKE A YOGI, publicado no Yoga Journal, afirma " ... imagine devoting your days to practice while feeding yourself nothing but sugar and caffeine. What effect would that have? It´s easy to see that a balanced, calm mind is much easier to come by, if you commit yourself to nourishing your body properly, just as you commit yourself to asana, pranayama and meditation...", ou seja se andamos a comer em excesso e a valorizar alimentos que não são muito saudáveis, tendemos a perder o estado de equilíbrio do nosso corpo e da nossa mente.

No Hatha Yoga (e o Ashtanga Yoga faz parte deste grande conjunto que é o Hatha Yoga) o nosso corpo deve ser o nosso templo, é o nosso veículo de vida, devemos manter o seu bom funcionamento e uma alimentação correcta, naturalmente fornecerá energia e saúde ao nosso organismo. Richard Freeman, no seu livro, "The mirror of Yoga: Awakening the intelligence of the body and mind", define Hatha Yoga como "qualquer prática que une padrões opostos dentro do sistema nervoso, para abrirmos e observarmos o centro (o núcleo) do nosso corpo", usamos a técnicas como asana, pranayama para chegarmos à observação da nossa alma.

Depois de analisarmos a forma de nos alimentarmos, de traçarmos uma ligação entre esta e a nossa digestão e excreção, de repararmos nas nossas acções, pensamentos e acções durante a prática de Yoga e no nosso quotidiano, convém lembrarmos-nos que não existem regras rigorosas, que o que funciona comigo, pode não funcionar convosco e que teremos de adaptar os vários princípios de uma "alimentação saudável" à nossa própria realidade.

É importante estudarmos um pouco sobre o que necessitamos de ingerir diariamente, nutrientes, vitaminas, proteínas (especialmente quem opta por ser vegetariano), hidratos de carbono simples e complexos, etc e da mesma maneira que ganhamos consistência na nossa prática de Yoga, aos poucos iremos mudando aqui ou ali, comendo mais isto ou aquilo, ficando com a sensação de uma maior leveza, mais felicidade e maior disposição para praticarmos e para vivermos integralmente os nosso dias.

Se optar mudar a sua alimentação, não o faça por pressões externas, não faça porque o seu professor disse que devia ser vegetariano, ou que devia seguir a abordagem da macrobiótica, ou que não devia comer 7 horas antes da prática, ou que não devia comer papaia à noite, ou que não pode beber água gelada, porque existem uma diversidade de crenças e mitos sobre a alimentação e a sua correlação com a prática de Yoga vão variando de praticante para praticante, de professor para professor, conforme as suas experiências pessoais. Lembre-se apenas que determinadas formas de alimentação e alimentos específicos puderam ajudar o seu corpo na prática de Yoga, mas terá de ser você a descobrir qual a abordagem a seguir, apenas por erro e tentativa, auto-estudo e pesquisa é que traçará o que melhor funciona para si.

Da mesma forma que escuta durante as suas aulas, que deverá ouvir o seu corpo, respeitar os seus limites, entrar em contacto com a sua própria natureza, através de uma respiração estável, serena e fluída, que implique movimentos graciosos, fáceis e seguros que projectam o seu corpo e a sua mente para um estado meditativo, de entrega e rendição, relembre-se também que na hora de cozinhar e de se sentar à mesa, que está a alimentar o seu corpo, o único corpo que terá nesta vida e que comendo mais consciente e atento, recolherá benefícios dentro e fora do seu mat.

* foto retirada da internet, de uma classe no KPAJYI.

sábado, 12 de novembro de 2011

A little (little) about hinduism






Eu não sou hindu, mas confesso que tenho uma enorme simpatia e identificação com alguns conceitos e deuses que fazem parte da tradição, crença e ritual desta religião. Cada vez que regresso a Mysore e que vivo em Gokulam, retomo a construção de uma maior recepção e ligação com estes conceitos e deuses, falo particularmente da noção de dharma, samsara, karma e de Ganesha, Hanuman e Lakshmi.

Compreender o Hinduísmo não é tarefa fácil, porque é uma religião que une uma diversidade de aspectos culturais e religiosos, que para uma leiga como eu, são verdadeiros paradoxos. Durante muito tempo considerei que o Hinduísmo era uma religião politeísta, porque faz referência e culto a uma gigantesca panóplia de deuses e deusas. Depois de algum estudo e pesquisa, compreendi que embora haja uma diversidade de deuses, que estes são manifestações de uma só identidade Superior, ou de um Supremo Absoluto, chamado Brahman.

Todos estes deuses são aspectos desta realidade superior, que não pode ser caracterizada, não tem forma, não tem género, porque esta identidade está em todo o lado, e tudo faz parte de Brahman. Cada Ser Humano tem uma parte de Brahman, o nosso Atman, a nossa alma.

Estes deuses são apenas aspectos de Brahman e em última instância são o próprio Brahman, mas não podem ser igualados ou comparados, porque Brahman é abstracta, não tem descrição, não é palpável e por outro lado revela-se em tudo e em todos, porque é a alma universal.

Brahman existe em tudo e tudo deriva de Brahman, por isso é que para o Hindu todas as coisas são sagradas, as plantas, as árvores, os animais, etc. Também acredita na reencarnação, que é a crença que a nossa alma é eterna, não acaba com a morte do nosso corpo, vive muitas vidas e em muitos corpos. Por vezes renasce num corpo humano, noutras num corpo de um animal, noutras num corpo de uma flor...

A alma passa por um ciclo de vidas sucessivas e a próxima reencarnação depende sempre das suas vidas passadas. As nossas acções presentes determinam o nosso destino nesta vida e nas próximas, Karma. Nós passamos por um ciclo de nascimentos e mortes (Samsara), que são determinados pelo karma, que depende da forma como agimos na nossa vida actual e nas anteriores.

O Hinduísmo é religião que acenta mais em práticas que em crenças, porque implica que as pessoas vivam de acordo com Dharma, princípios e condutas éticas e pelo respeito pelo Karma, de modo a chegar a Moksha, à liberdade deste ciclo de nascimento e renascimento, de união com Brahman.

Existem tantos deuses e deusas hindus, tantas histórias sobre os seus nascimentos, feitos e poderes, os meus preferidos são: Ganesha, o deus com cabeça de elefante, é tido como filho de Shiva e Parvati e tem como principal significado o de remoção de obstáculos, é também aquele que garante sucesso, riqueza e conhecimento;
Hanuman, o deus com cabeça de macaco, é símbolo de força física e mental, veracidade e lealdade, humildade e profunda devoção a Brahman;
e Lakshmi, a deusa da luz, da beleza, da boa sorte e da prosperidade.

Escrever sobre Hinduísmo não é de todo simples, porque engloba conceitos que necessitam de mais estudo, noções que se fundem noutras, tradições esboçadas em inúmeros rituais. Para se praticar Yoga, particularmente Ashtanga Yoga não necessitamos de ser hindus, ou de simpatizarmos com esta religião, podemos ser o que queremos e acreditar no que quisermos, a única coisa que necessitamos é de praticarmos a nossa sequências de respiração, movimentos e posturas e quer esta nos aproxime ou afaste da religião, de qualquer religião, o interessante mesmo é conseguirmos sentir mais o nosso corpo, a nossa mente e devagarinho, sem expectativas ou planos irmos saboreando a vivência da nossa alma.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Workshop Intensivo de Ashtanga Yoga com David Robson, nos dias 16, 17 & 18 de Março






DAVID ROBSON ESTARÁ NO NOSSO ASHTANGA CASCAIS, PARA UM WORKSHOP INTENSIVO DE ASHTANGA YOGA NOS DIAS 16, 17 e 18 DE MARÇO, 2012.



David Robson faz parte da nova geração de professores de Ashtanga Yoga que tem recebido o reconhecimento da comunidade Ashtangui internacional, não só por ser um praticante avançado, um professor Autorizado pelo Shri K. Pattabhi Jois Ashtanga Yoga Institute (KPJAYI), mas especialmente por primar por uma visão que implica levarmos as aprendizagens que interiorizamos na nossa prática de Yoga para a vivência do nosso dia-a-dia.

"The depth of the practice can´t be seen in asana. Somebody that can do a backbend and grab onto their ankles isn´t going to be further ahead in their practice than somebody who has trouble forward bending or is stiff. That doesn´t make a difference- that´s not what the practice is about." (citação de David Robson, no filme "Living the practice"). Talvez esta seja a razão que faz do seu Ashtanga Yoga Centre of Toronto, www.ashtangatoronto.com, uma das escolas no Mundo com o maior programa de aulas de Ashtanga Yoga, com dezenas e dezenas de praticantes que se juntam todas as manhãs para estudarem com este professor tão experiente e tão especial.


Programa


Dia 16, sexta, às 19h
"APRENDER A FLUTUAR" - A FILOSOFIA & PRÁTICA DO VINYASA,
Vinyasa significa sistema de respiração & movimento, pela sua sincronização teremos uma prática graciosa, fácil e confortável.
Esta aula explorará a filosofia e prática do Vinyasa como é tradicionalmente ensinado no Ashtanga Yoga.
(duração 2 horas)

Dia 17, sábado, às 8h
AULA GUIADA DA PRIMEIRA SÉRIE DE ASHTANGA YOGA - YOGA CHIKITSA,
com a contagem tradicional dos vinyasas em sânscrito, relembrando o praticante do número exacto de respirações de entrada, permanência e saída de cada postura.
(duração 2 horas)

às 11h
RETROFLEXÕES,
utilizando as posturas da primeira e da segunda série, aprendemos a correcta técnica e alinhamento para executarmos retroflexões confortáveis e profundas, compreendendo as posições e descobrindo como usarmos o nosso corpo para criarmos retroflexões livres de dores e amplamente benéficas para a nossa coluna.
(duração 2.5 horas)

Dia 18, domingo, às 8h,
AULA DE MYSORE STYLE,
a forma tradicional de prática e ensino do Ashtanga Yoga
(duração 2 horas)

às 11h
EQUILIBRANDO-NOS SOBRE OS BRAÇOS,
esta aula está estruturada para adquirirmos instrumentos chaves que proporcionam uma maior compreensão de como colocarmos o corpo, de modo a erguermo-nos em pinos, em saltos e outros movimentos onde colocamos o peso nos braços e mãos, assegurando a fluidez e leveza destas passagens e posturas tão intimamente ligadas à nossa respiração, foco ocular e bandhas.
(duração 2.5 horas)


TODAS AS AULAS ESTÃO ABERTAS A INICIANTES AO ASHTANGA YOGA

CONTAMOS COM MAIS UM WORKHOP PROFUNDO, INSPIRADOR E INTENSO, que pretende trazer a cada praticante um sentido de interioridade concebido pelo VINYASA, DRISHTIS E BANDHAS, segundo a tradição de Shri K. Pattabhi Jois.

Inscrições e informações
em ashtangacascais@gmail.com
ou 916034770.

sábado, 29 de outubro de 2011

The power of TRANSFORMATION




Yoga é transformação.
Começamos por uma variedade de razões, continuamos por uma diversidade de inspirações e motivações, mantemos por uma incontornável sensação de mudança, de maturidade e crescimento.

O corpo e a mente vão reduzindo de tamanho e o coração cresce em forma e conteúdo, temos mais espaço para o cultivo da nossa alma e mais tempo para escutarmos e observarmos, não num contexto Egocêntrico ou num exercício para a Vaidade, mas num caminho de liberdade, um que dá a sensação única de criarmos mais veracidade, humildade e fé.

Esta prática de Ashtanga Yoga, quando feita 6x por semana, naturalmente obriga a uma percepção de superação, de remoção de obstáculos, físicos, mentais, emocionais e energéticos. Caminhamos de mãos dadas com Ganesha e vamos fazendo o nosso próprio troço, construímos o nosso futuro pela vivência do presente e deixamos um sorriso de maior satisfação e realização, quando paramos um pouco e recordamos como vivemos o ontem e como estamos a viver o hoje.

Teoricamente parece uma novela com final feliz, ou um filme romântico que sem surpresa acaba bem, na vida realmente são conjuntos de episódios, que necessitam de ser colados com muito bhavana, muita dedicação, disciplina, persistência, trabalho, consciência e quilos quilos de humildade.

Praticar este método de Yoga é mesmo um acto de fé, fé no método e fé nos nossos professores, quer seja aqui ou aí em Portugal, o segredo, a receita é sempre a mesma, praticar.
Podemos dissertar, escrever tratados sobre, ler os clássicos, discutir os grandes textos do Yoga, mas se não praticarmos apenas saberemos falar sobre o assunto, usaremos palavras genéricas sobre o que é o Yoga, mas apenas esboçaremos a sua superfície.

A experiência da prática é com certeza diferente de praticante para praticante, mas as mudanças são sentidas por todos, mais cedo ou mais tarde, vamos denotando em diferenças gigantescas no nosso corpo, mente e alma e é este poder de transformação, que vai iluminando o nosso percurso e estimulando ainda mais a nossa entrega e rendição.

*ilustração de Boonchu Tanti

domingo, 23 de outubro de 2011

...moving on.


Somos todos humanos e de vez em quando agimos mal, mas mesmo com esta noção, durante bastantes anos senti uma certa desilusão e guardei mágoa por algumas pessoas que se cruzaram no meu caminho, todos praticantes há mais tempo que eu e todos professores há bem mais tempo que eu. Pessoas que face a tantos anos de prática de Yoga, considerei e julguei que deveriam ter tido determinada atitude e maneira de estar. Guardei dentro de mim vários episódios que cedo fizeram-me perceber que ser praticante e professor de Yoga, não significava sermos Seres Humanos perfeitos, Seres Iluminados sem defeitos e no entanto não consegui deixar de olhar com pouca tolerância, os comportamentos Egocêntricos, as vaidades extremas, os interesses exagerados, os jogos falsos de mostrarem que são algo, quando na realidade não o são.

O ensino obrigou-me a tomar mais responsabilidade pela minha prática, mas nem por isso foi simples ganhar a consistência e disciplina que o Ashtanga Yoga obriga. Demorei anos a construir a minha prática de Yoga e quando optei por praticar sozinha, sabia as consequências desta escolha. Não ter um professor quotidianamente foi diversas vezes complicado, tinha inúmeras dúvidas, confusões, o que derivou em muitos erros e tentativas, uma aprendizagem pela experiência e por bater muitas vezes com a cabeça na parede e sabem que mais? Doía e custava muito não ter uma pessoa a quem pudesse perguntar ou pedir conselhos e direcções.

Cada vez mais, reconheço a importância de ter um professor, alguém em quem confiarmos, onde não há espaço para ressentimentos ou críticas. Ninguém é perfeito, todos temos acções menos boas e ter um professor é um privilégio, vir à Índia estudar com o meu, tem sido sem dúvida uma enorme oportunidade, mas devo reconhecimento e gratidão a todos os que me instruíram. Chega uma altura que há que largar a bagagem do passado e simplesmente seguir em frente e por isso as minhas desculpas pela demora e o meu sincero obrigada pela atenção e cuidado que tiveram enquanto me ensinaram os alicerces desta prática, durante anos fizeram parte do meu puja e estou-vos imensamente agradecida.

Percebo que ser professor não é fácil. Temos de separar bem os nossos papéis e mesmo assim pode acontecer agirmos mal, de vez em quando pode acontecer magoarmos alguém, mas se o professor tiver o coração puro, com certeza que os seus actos não foram feitos com o propósito de causar o mal, porque andar aqui a dobrarmos-nos para todo o lado, acaba por afectar a nossa mente e coração e gosto de pensar e de manter a fé que um dia, mais cedo ou mais tarde, tornamos-nos melhores pessoas.

Por isso fico angustiada quando passado tanto tempo e com total reconhecimento e aceitação que ninguém é perfeito e que a prática de Yoga desenvolve o nosso discernimento e deixa-nos mais em paz com o lado crítico, volto a cruzar-me com pessoas que fingem que são grandes Yoguis, grandes "Shantis Shantis", pura ficção. E que na sua vida privada, quando estão longe dos alunos, são pessoas violentas, pessoas mentirosas, controladoras, mas no dia a seguir estão em cima do tapete e até fazem segunda ou terceira série, levam os corpos para as posturas, porque com toda a certeza a cabeça e o coração estão longe de estarem presentes. Enfim... moving on... e darmos o nosso melhor, sem ficarmos com os actos dos outros dentro de nós.
Obrigada.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Perfil do Aluno - Pedro Terrinha



Nome
Pedro Terrinha
Idade
29 anos
Profissão
Administrativo

Quais as razões que motivaram a tua escolha por uma prática como o Ashtanga Yoga?
A procura de uma prática de Yoga tradicional e rigorosa.

Que diferenças identificas entre o Ashtanga Yoga e outros estilos de Yoga que já praticaste?
A fluidez e dinâmica da prática são únicas e fascinaram-me logo à partida, mas diria que a principal diferença, está na forma como conjugamos a respiração, posturas, drishtis e bandhas para transformarmos a prática numa meditação em movimento.


Achas que esta é uma prática mais fácil para os homens ou para as mulheres? E porquê.
... esta prática desafia-nos como seres humanos, independentemente de sexos, raças e idades, é Universal...

Se estivesses a aconselhar um amigo a começar a fazer Ashtanga Yoga, o que lhe dirias?
Diria que tenho fé nesta prática, é uma ferramenta de auto-conhecimento que nos pode auxiliar em todos os aspectos da nossa vida.
"Keep practicing and don't Stop !"


Desde que começaste a fazer este método de Yoga, quais têm sido os maiores benefícios e as maiores dificuldades?
São inúmeros os benefícios, mas eu destacaria uma maior capacidade de controlar a minha mente, as minhas emoções e uma sensação de vitalidade única. A maior dificuldade tem sido a disciplina e regularidade que este método exige.

Quando pensas na tua prática, qual é a primeira palavra que surge na tua mente?
Fogo

terça-feira, 18 de outubro de 2011

How is to practice with Sharath Jois?



Como é praticar com Sharath Jois?

A minha resposta é fruto de uma reflexão que nasce por estar novamente nesta terra, a ter a oportunidade de estudar neste shala e com este professor. De cada vez que entro naquela sala, que estendo o meu tapete, rodeada de dezenas de outros praticantes, reparo como somos um grupo de pessoas distintas, de origens e línguas diferentes, com estaturas e tamanhos nada iguais e no entanto pressinto que, aqui, estamos todos para o mesmo, compreendermos um pouco mais esta prática que com esforço e cuidado mantemos nos nossos quotidianos.

De frente para aquele professor canta-se o mantra inicial e dá-se o começo de mais uma prática no KPJAYI, a cada indicação de Sharath, a cada nova instrução, a cada contagem do vinyasa em sânscrito para entrarmos, permanecermos e sairmos de cada posição, sentimos a temperatura a aumentar, o corpo mais e mais quente, gotas de suor a escorrer pelo rosto, pelos braços, pela barriga, pelas pernas...dobramos, esticamos, encolhemos, torcemos, rodamos, saltamos, giramos, como numa coreografia, em que a música é o som conjunto das nossas respirações e a canção as directrizes de Sharath.

Praticar em Mysore, com Sharath, é praticar sentindo uma intensidade quase inexplicável.

Uma que nos faz saltar por cima de obstáculos que anteriormente acharíamos como impossíveis de alcançar. Talvez esta energia seja fomentada por estarmos num país mais quente, por aquela sala ser, e ter sido palco de tantas práticas, visitada e acolhida por centenas de praticantes, ou por ainda reconhecermos a presença de Shri K. Pattabhi Jois (1915-2009), ou porque talvez, o seu neto imprima e sustente uma maior entrega, comprometimento e responsabilidade.

Praticar em Mysore, com Sharath Jois, significa escutar.
Escutar e confiar nas suas indicações e ouvirmo-nos a nós mesmos, à nossa respiração, ás reacções do corpo e sem expectativas, sem metas, deixarmo-nos ir na viagem interna de uma intensidade transformadora e integrante.

Mysore Style in KPJAYI

Pequena ilustração do artigo em cima, que demonstra a intensidade que vivo nesta sala. Uma ilustração que serve de inspiração para desenrolarmos o tapete e experimentarmos praticar com mais entrega e discernimento.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

PERFIL DO ALUNO - LARA HAYDEN























Nome 
Lara Hayden
Idade
26 anos
Profissão
Instrutora de Musculação e Cardiofitness


De acordo com a tua experiência como praticante de Yoga, quais as diferenças que identificas entre o Ashtanga Yoga e outro método que praticastes?
As maiores diferenças que encontrei foram na estrutura da aula, na sua dinâmica e da imensa importância dada à respiração que noutros métodos apesar de importante não é, como no Ashtanga, o ponto principal.


Foi fácil adaptares-te à prática de Ashtanga Yoga? Quais os seus maiores desafios?
Sim, foi fácil pois foi uma prática da qual imediatamente gostei e me identifiquei. Para mim o maior desafio é mesmo a regularidade que tento manter, da prática em si é o controlo da respiração de modo equilibrado e consciente e dos Bandhas.

De momento o que é mais importante para a regularidade da tua prática de Yoga, uma escola ou um professor e porquê?
Um professor, sem dúvida! Porque aprender pode-se aprender em qualquer lado mas só um professor me pode corrigir os erros, fazer evoluir do modo correcto e com confiança e levar a acreditar num determinado método de yoga como eficaz.

O que esperas do teu professor de Yoga?
Acima de tudo espero rigor, empenho, profissionalismo, saber, exigência e empatia claro!

E o que não esperas do teu professor de Yoga?
Não espero principalmente obsessões, como se nada mais existisse no mundo para além do Yoga e que só este exclusivamente trouxesse algum benefício.

Quais são as motivações que te fazem praticar Ashtanga Yoga?
Agrada-me muito a sensação de sair de cada aula, apesar de ser de manhã cedo, com a energia renovada e pronta para mais um dia!
Além de que sinto que a maneira de encarar o meu dia-a-dia se transforma para melhor a cada dia.


Quando pensas na tua prática, qual é a primeira palavra que surge na tua mente?
Empenho

Mysore 11



Mysore é uma cidade que é caracterizada por ser a casa do Ashtanga Yoga, onde centenas de praticantes de todo o mundo se juntam por uma causa comum, a prática. Estas estadias permitem-nos ganhar ainda mais inspiração e traçar sinceras descobertas sobre o nosso Eu, compreender os nossos limites e capacidades, superar os obstáculos do corpo, alguns entraves da mente e quem sabe, abrir um pouco mais a porta do coração.

Mysore é sempre um lugar que me obriga a tomar ainda mais responsabilidade da minha prática e da minha vida, um sítio que me relembra quotidianamente que o Yoga é para ser vivido fora do tapete, na minha relação e diálogo comigo mesma, na relação e interacção com os outros e na vivência e experiência com tudo o que me rodeia, mas acima de tudo, salienta a necessidade que seja praticado dentro do tapete, apenas pela experiência diária é que conseguimos avançar pelas posturas, para criarmos um corpo mais flexível, resistente, ágil, estável e saudável e estas características de corpo estendem-se também à mente e a nossa alma.

Estas viagens anuais ao KPJAYI, Shri Krishna Pattabhi Jois Ashtanga Yoga Institute permitem-me voltar a ser aluna, tendo todos os dias a graça de estudar junto do meu professor directo, Sharath Jois, o neto do emblemático Pattabhi Jois.
É fácil chamar-lhe de professor...
não porque é uma escolha cliché, mas porque foi uma decisão que veio do meu coração.

*ilustração Boonchu Tanti

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Perfil do Aluno - Margarida Fonseca


Nome
Margarida Fonseca
Idade
53 anos
Profissão
Psicóloga; Consulta de Comunicação
Quais as razões que a motivaram a procurar o Yoga e quando e onde o descobriu?
Uma amiga levou-me a experimentar uma aula de Yoga há uns anos. Confesso que fui muito desconfiada, convencida que era só uma experiência. E foi! Uma experiência que mudou a minha vida.

De acordo com o seu background académico e profissional, reconhece que o Yoga contém aspectos que podem ser utilizados como instrumentos para uma terapia eficaz? Se Sim, porquê?
Enquanto psicoterapeuta eu sinto que o Yoga me ajuda a manter uma atitude mais consciente e observadora de mim e do outro. Vários aspectos podem ser utilizados como terapia desde a respiração à concentração. Mas a melhor terapia é a própria prática de Yoga! Essa eu aconselho sempre porque só a prática nos ensina a "ouvir o corpo" e nos traz alterações de paradigmas, como por exemplo o acreditar que "eu consigo".

Como praticante dedicada há alguns anos, já consegue identificar os seus benefícios na vida quotidiana? Dê-nos alguns exemplos.
O dia começa logo com uma energia diferente! A nível físico consigo manter uma postura mais alinhada e uma consciência do corpo, que se reflecte numa maior capacidade de concentração e foco. A consciência na respiração e os exercícios de pranayama ajudam-se sobretudo no controlo da minha impulsividade e nas situações emocionalmente mais complicadas.
As pessoas conseguem perceber quando eu pratiquei logo de manhã! Nesse dia sou uma pessoa mais tranquila e mais feliz.


Começou por aprender Ashtanga Yoga num ambiente de ginásio e actualmente frequentas as aulas numa escola de Yoga, que diferenças sentiu nestes dois espaços quanto ao ensino e na aprendizagem deste método de Yoga?
A diferença é enorme! Pratiquei vários tipos de Yoga em ginásios e sentia sempre necessidade de complementar com aulas de ginástica mais activas. Até aparecer o Ashtanga Yoga no ginásio. Fiquei rendida ao Ashtanga e à professora Vera! Não era possível evoluir muito nas posturas porque havia sempre muitos iniciantes(...) Numa escola de Yoga, tudo é diferente! Sente-se logo uma energia diferente! Uma professora que nos recebe e está presente de corpo e alma a acompanhar cada aluno na sua prática, com uma dedicação e entrega invulgares.
Na escola conseguimos evoluir mais. Uma maior exigência na correcção de cada asana, permitindo-nos atingir os nossos limites com segurança. Para além disso, a escola dá-nos um sentimento de pertença a um conjunto de pessoas com o mesmo tipo de motivação: Praticar Yoga.
Resumindo: no ginásio fazemos Yoga; na escola vivemos o Yoga!


Quando pensa na sua prática, qual é a primeira palavra que surge na sua mente?
Paz.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

"Don´t let Yoga ruin your life"- David Swenson




Uma típica manhã em Mysore, podia perfeitamente ser uma típica manhã em Portugal ou em qualquer outra parte do Mundo, bastaria termos o nosso mat, acordarmos cedo, muitas vezes quase de madrugada e entre uma chávena de chá ou de café, banho morno e rotinas de higiene, sairíamos para a rua a caminho do KPJAYI ou da nossa escola de Ashtanga Yoga em Cascais, Barcelona, Paris, Londres, Copenhaga, NY, Toronto, S. Paulo, etc, esperaríamos ou entraríamos directamente na sala, dependendo da quantidade de praticantes, e estenderíamos o nosso mat para mais uma experiência que pretende unir corpo, mente e alma.

Há que moldar as nossas rotinas sociais e familiares, porque praticar de manhã, à hora de almoço, ou ao final do dia, implica sempre um esforço acrescido na gestão do nosso quotidiano e quer seja em casa ou numa escola, sozinhos ou na companhia de outros praticantes e da ajuda incontornável de um professor, a curto médio prazo existirão mudanças na nossa maneira de pensar, sentir e agir.

Veja o exemplo da nossa alimentação, se estamos habituados a comer muito, iremos reparar ao estarmos no tapete, que os bandhas não existem, a respiração é difícil de controlar, o corpo dá a sensação de estar inchado e de termos mais 40 kilos em cada perna, o que torna complicada a tarefa de dobrarmos e esticarmos o quer que seja, necessitando de toda a energia para digerir o excesso que comemos.

Mas este é apenas uma, em centenas de pequenas alterações que uma pessoa dedicada ao Ashtanga Yoga começa a perceber e no entanto, como o famoso professor David Swenson afirma "Não podemos deixar que o Yoga arruine a nossa vida." Teremos de continuar a desempenhar as nossas funções familiares, as nossas obrigações no emprego, a dar atenção aos nossos amigos, a passear o cão, ir ao supermercado, etc.

A prática de Yoga quando feita de forma regular, consistente e sem paragens leva naturalmente a traçarmos mudanças na nossa maneira de pensar, ser e estar, mas estas alterações terão de ser adaptadas ao nosso próprio contexto individual, familiar e social. Recorde-se que este Ashtanga Yoga deriva de uma linhagem de homens de família, como Krishnamacharya, Pattabhi Jois e agora Sharath Jois, todos com família, com as suas subsequentes obrigações e deveres e que servem de inspiração a tantos praticantes de Ashtanga.

Pensar no nosso quotidiano, desenharmos na nossa mente as mudanças necessárias para conseguirmos mais tempo e qualidade para a nossa prática, mas não esquecer que Yoga não é limitado à hora e meia em que estamos em cima do tapete.


* ilustração de Boonchu Tanti, www.alliscoming.com

sábado, 17 de setembro de 2011

What they said...




"...Ele é realmente uma pessoa especial e um professor excelente. A sua capacidade de nos comunicar a sua experiência e nos fazer sentir um animo crescente para a pratica é uma inspiração para qualquer praticante e/ou professor." L. Lima (Coimbra)

"These three days were revealing and pivotal in many ways. To me practicing yoga has been a process or "learning by doing and doing by learning" - we are constantly reflecting and interacting in a dynamic web of information given by our teachers, fellow practitioners and friends, sometimes by a mere touch, sometimes by word. Then we test and embody that knowledge and eventually give it back to world – whether because we teach or because through our practice we transform it into a unified, positive and uplifting energy. Tim has given me great guidance in this process. His gift has already started to build a stronger, safer and more focused self-practice, which I will continue to explore and develop everyday, little by little. I found “my workshop teacher” and will now follow him around as much as money and circumstances allow!" I. Sobral (Lisboa)

"Tim Feldmann revelou-me de forma muito sábia, numa linguagem simples, dotada de um humor hilariante até ternurento acerca da "mecanica interna e externa" indispensavel, para os inumeros efeitos da prática de Ashtanga. Nunca os bandhas foram tecnicamente tão bem explicados. Julgo ser imensurável o contributo da exposição desta matéria no percurso do praticante de Ashtanga. Sinto-me imensamente grata pelos ensinamentos partilhados neste fim de semana, um grande bem haja a Tim Feldman." F. Jacinto (Lisboa)

"Para mim, que estou a começar, foram muito importantes as aprendizagens deste fim de semanam para aplicá-las na minha prática do dia-a-dia. Além de ter ultrapassado o medo "terrífico" dos backbendings! O Tim consegue descomplicar conceitos por vezes complexos, é uma pessoa extremamente simpática e um óptimo professor que tornou o ambiente deste workshop tão especial." L.Hayden (Oeiras)

"O Tim tem uma presença forte e muito bonita.
Senti carinho e dedicação em cada palavra e, sobretudo, em cada gesto.
Marcou-me especialmente a forma como o Tim se movimenta e transmite cada tema.
Através do olhar e do toque, das palavras e do exemplo, eu senti-me inspirada a evoluir.
Foi muito bom!"
I. S. (Guimarães)

"A experiência foi fantástica, o Tim tem uma “pausa” (vibração constante), que parece caracterizar não só a sua maneira de estar, como o modo gentil em que transmite o seu conhecimento.
Obrigada! Foram informações essenciais para o desenvolvimento de qualquer nível de prática."
F. Meireles (Cascais)

"...of course thank you for the workshop, it was incredible!!!" A. Bustos (Londres)

* fotos por Pedro Terrinha
Workshop com Tim Feldmann, 9, 10 & 11 de Setembro

Thank you.




Durante anos procurei por um professor de Yoga, mais tarde por um professor de Ashtanga Yoga, não falo de nomes ou endereços que indicam que determinada pessoa ensina Yoga, ou de moradas de espaços que oferecem aulas, mas a minha busca foi sempre por encontrar o Professor, aquele que acende a chama da nossa motivação, que inspira a praticarmos ainda mais, que instiga a nossa disciplina, que fornece informações chaves para uma evolução segura, precisa, rigorosa e duradoura.

E mesmo quando surgem bloqueios, quando aparecem obstáculos sabemos que está ali uma pessoa com quem falar e especialmente em quem confiamos. No fundo uma relação entre aluno e professor resume-se sempre uma relação de confiança, de amor, de respeito mútuo, é uma espécie de relação familiar, de link muitas vezes mais profundo e mesmo que caminho do Yoga se resuma a um trilho pessoal e individual, único, porque a minha versão, perspectivas e experiências sobre o Yoga serão diferentes de outras pessoas, a verdade é que, contar com um Professor para apoiar-nos e ensinar-nos é uma grande mais-valia.

Desde 1999 até hoje, pleno ano de 2011, conheci várias pessoas que leccionam Yoga e uns quantos nomes que ensinam Ashtanga Yoga, todos tiveram o seu papel no meu caminho, mas são poucos os que considero como meus professores.

Dentro deste grupo, tem sido uma enorme alegria cruzar-me com pessoas grandiosas, com gente humilde, com pessoas trabalhadoras, com seres humanos que praticam Yoga e o ensinam sem pretensão, sem vaidade, mas pelo contrário com ampla tolerância, com vigente inteligência, com rectidão e saliência no seu estudo e experiência.
Thank you Tim Feldmann.




*fotos por Pedro Terrinha
Workshop com Tim Feldmann, de 9, 10 & 11 de Setembro

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Perfil do Aluno - Carla Moreira


NOME
Carla Moreira
Idade
36 anos
Profissão
Accounting Manager


Após algum tempo a aprenderes Yoga num ambiente de ginásio, que diferenças identificas na tua prática agora que o fazes, num espaço exclusivo para o ensino de Ashtanga Yoga?
Praticar Yoga num ginásio é muito diferente de praticar numa escola. Num ginasio acho que yoga, seja ela qual for, é sempre vista como mais uma actividade fisica que está disponível. Não existem meios que nos permitam ligar directamente com a prática, que nos permitam evoluir, é muito dificil. A entrega é dificil e raras são as vezes onde é possível estabelecer uma ligação, sentir a energia e tirar proveito da prática.
Esta foi uma das razões quando decidi começar a praticar numa escola e há medida que o tempo tem vindo a passar, tenho ainda me apercebido de maiores diferenças, o estabelecer a ligação, quer com a pratica quer com o professor, a entrega total só é possível num espaço como este.
Aí é que iniciamos a verdadeira prática.


Quais as razões que te motivaram e que continuam a inspirar-te a praticares Ashtanga Yoga?
Praticar Ashtanga Yoga para mim, significa estar comigo mesmo, superar-me, o que nem sempre é fácil. É sobretudo sentir e desenvolver um estado de bem-estar e leveza, que acaba por me ajudar em todas as outras partes da minha vida.

Se tivesses de aconselhar um colega de trabalho a praticar este método de Yoga, o que lhe dirias?
É exigente, não é fácil, mas ao fim de cada prática o bem-estar, a calma e a leveza que se sente são muito bons. E de dia para dia vamos conhecendo melhor o nosso corpo, quase como se o conseguíssemos ouvir e sentimo-nos melhor.

Consideras que seria positivo para o seus colaboradores, se a empresa em que trabalhas organiza-se num contexto de team-building, um fim-de-semana de prática de Yoga, um retiro intensivo de Yoga? Achas que os colaboradores sairiam deste evento mais motivados para as suas responsabilidades e deveres profissionais e com vontade de manterem esta prática como ajuda na gestão do stress quotidiano? Se sim, porquê?Acho que uma acção de team building em que uma das actividades seria a pratica de Ashtanga Yoga talvez ajuda-se não só na gestão do stress diário, mas sobretudo acho que podia vir a ajudar a melhorar os níveis de criatividade e de inovação, uma vez que a pratica de Ashtanga liberta a menta e ajuda a focar as energias.
Um dia sem prática de Yoga significa?
Quando não pratico o meu corpo sente, mas é sobretudo a minha mente que mais sente a falta.

E um dia com prática de Yoga, que significado tem?
Um dia mais leve, tranquilo e com outra disposição.

Quando pensas na tua prática, qual é a primeira palavra que surge na tua mente?
Paz

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Sadness and emptiness


A vida pode estar complicada, até pode parecer que não existem grandes soluções, até pode parecer que estamos num buraco escuro e que sufocamos a cada tentativa de inspirar, que não há para onde ir, que não há para onde fugir, que estamos obrigados a viver tamanha dor, tamanha perda, tamanha frustração, tamanho vazio.

Se a vida para alguns parece ter deixado de fazer sentido, onde a solidão, a tristeza e o desamparo já são partes integrantes dos seus corpos, das suas mentes e dos seus, já gastos corações, há que reparar a tempo nestes nossos familiares, amigos, conhecidos e até desconhecidos e com uma palavra amiga, uma palavra de Ser Humano, chamar por eles a tempo de evitar uma tragédia.

Se falarmos com psiquiatras, psicólogos ou outros terapeutas do âmbito da psique e das emoções, ficamos a saber que mais de metade da população têm doenças ao nível da mente e do emocional. Se não forem tratadas a tempo, são como um cancro que se espalha por todo o nosso organismo, levando muitas vezes a fazermos más escolhas, decisões dependentes dos nossos estados de espírito, já tão mitigados pelo sofrimento.

É tão triste saber que gente nova ou mais velha, pessoas que eram filhos de alguém, pais de alguém, irmãos de alguém, amigos de alguém, decidiram desistir de uma vida, que a cada segundo poderia mudar.

A cada segundo, mesmo quando tudo está mal, temos a capacidade de mudar o rumo do nosso destino, ás vezes vamos precisar de ajuda, seja de uma terapia, seja até dos famosos fármacos, seja por termos o ombro amigo de um filho que nos ouve, de um amigo que nos abraça ou até de um desconhecido que estende o braço e dá-nos a mão, para nos erguermos.

"Não desistir" são as palavras que devemos manter, mas também as que significam "lutar por nós mesmos, pela nossa felicidade, voltar a ter objectivos, trazer de volta o nosso sorriso, reaprender a viver momento a momento sem ansiedade, sem confusão".

Manter a simplicidade e a vontade pura de viver.
Todos temos problemas, todos temos algo para aprender, algo para superar. Não desistir e traçar um objectivo sincero para o nosso caminho, é um ponto importante quando lutamos pela nossa felicidade.

Perder um amigo, um familiar, ou ficar a saber daquela pessoa que já não vemos há imenso tempo, mas que fez parte da nossa infância, pessoas que de alguma maneira fazem ou fizeram parte da nossa história, que decidiram em consciência ou não, de irem embora, faz-nos pensar ainda mais no significado da nossa vida. O que é que andamos aqui a fazer? Estamos a criar um presente com significado? Estamos a criar um passado que honra a nossa essência?

Hoje acima de tudo, irei pisar o meu mat, praticar o meu Yoga com tamanha devoção pela minha vida, em honra aos que aqui estão e aos que já foram. Coragem, para todos os que perderam alguém, coragem, para todos os que continuam a lutar pelo seu próprio sorriso.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

"Living the Practice" - Ashtanga Yoga com David Robson



Uma verdadeira inspiração advinda do Canadá... um exemplo especial do que é ser professor de Ashtanga Yoga, do que é uma escola de Ashtanga Yoga, do que é ser aluno e praticante de Ashtanga Yoga, do que é e como funciona o Ashtanga Yoga.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Perfil do Aluno - Vera Garnel


Nome
Vera Garnel
Idade
43 anos
Profissão
Advogada
Como e quando ficou a conhecer o Ashtanga Yoga?
Em 2009 fui levada por uma amiga a uma aula. A componente de exercício físico descrita pela minha amiga foi francamente a força motriz.

Qual foi a primeira impressão desta prática de Yoga e o que a motivou e motiva a praticar este tipo de Yoga?
Não me lembro se terá sido a primeira impressão, mas cedo reparei que para além de representar um exercício físico fortíssimo (um desafio permanente até hoje), a prática é uma lição e treino permanente no viver e respirar 'agora'. Quando pratico, a intenção de concentrar-me na energia que existe em mim e colocá-la ao serviço das posturas, do movimento, do equilíbrio em vez do que se passa 'lá fora', o que se passou ontem, passará daqui a cinco minutos ou amanhã, é profundamente libertadora. A transpiração - por muito estranho que pareça - é purificadora, o relaxamento no final é descanso na verdadeira acepção da palavra. Nem sempre consigo concentrar-me totalmente, mas quando consigo é uma experiência difícil de descrever.. Cada vez mais, sinto que através da pratica consigo transcender o barulho mental habitual e apenas 'estar', com dores nos joelhos, irritações, medos, ..., mas sem qualquer julgamento.

Com uma vida profissional exigente e sendo mãe de 5 filhos, considera que o Yoga a ajuda a enfrentar as responsabilidades profissionais e familiares quotidianas?
Respondo-lhe ao contrário.
Quando por alguma razão não posso praticar durante algum tempo, todas as tarefas de que a minha vida é composta se tornam mais pesadas. É mesmo assim. Para além de ser, em muitos dos dias, o único espaço só meu, a pratica representa, entre outras coisas, uma tomada de responsabilidade pelo meu bem estar em primeiro lugar, como base para quaisquer responsabilidades perante os outros. E tem, de facto, um efeito muito surpreendente sobre a minha maneira de estar face às ditas 'responsabilidades'.


Aconselharia o Ashtanga Yoga, a outra mãe? Se sim, porquê?
Quando pratico em casa, o sucesso na plateia é garantido, claramente.
Aconselharia a outra mãe como a qualquer pessoa.


Quais são os maiories desafios que encontra na sua prática pessoal de Yoga?
Raramente são os mesmos dois dias seguidos, mas talvez derivem de uma matriz comum, estar totalmente CONSCIENTE da prática. Fora isso, magoar-me porque excedi os limites do meu corpo e ter que viver com isso, por vezes durante semanas, é um desafio.

Quando pensa na sua prática, qual é a primeira palavra que surge na sua mente?
Entusiasmo.