quarta-feira, 23 de julho de 2014

TEACHER inspiration

Estamos na altura das monções, chove várias vezes ao dia e acabo por estar mais em casa, com mais tempo para estudar, reflectir e sentir. As manhãs são passadas no Shala, a prática começa logo cedo, caminho pelas ruas de Gokulam uns minutos antes das 5 da manhã, para entrar no reconhecido KPJAYI. Faço parte do primeiro turno e por isso desta vez posso escolher o lugar que quiser, mas tenho estendido o  tapete no mesmo sítio  há 4 semanas! Optei por este, como poderia ser outro qualquer, não interessa onde fico,  perto da porta, no palco, lá atrás ao pé das janelas por onde entra a brisa, ou junto aos balneários, ou qualquer outro.

Não é só isto que é diferente, sinto que a energia do Shala também não está igual, talvez porque somos tão menos praticantes, ou talvez, porque conhecemo-nos todos, de outras viagens, de outros anos. Também as práticas têm sido particularmente especiais, sinto que andamos todos, dia atrás de dia, a aceder directamente a tudo o que Sharath tem partilhado connosco, toda a informação que temos trabalhado nas aulas teóricas, talvez esta seja sem dúvida, a grande diferença, acedermos a este conjunto directrizes. Parece existir uma entrega adjacente, uma vontade renovada, uma inspiração amplificada. Ali estamos, dia após dia, entregues a testar nos nossos corpos, o Ashtanga Yoga, que quando feito de forma tranquila, permite realmente  limpar em profundidade o nosso organismo, recuperar flexibilidade, força, resistência, mas também foco, concentração, paz mental. 

Quando subi da minha última "ponte", reparei que ele estava ali, tão perto que se estendesse o meu braço tocava no dele. Sorri por dentro, porque fazer os dropbacks com ele ali, é sempre engraçado, para não escrever outra coisa. Lá fui para baixo e vim para cima, com a minha respiração e com os meus Bandhas. Na terceira vez, ele estava mais perto de mim, cruzei os braços sobre o peito, as mãos a agarrar os meus ombros para darmos início ao ajuste dele nesta posição, ser ajustado por Sharath 
não é mesmo que sê-lo por outro professor, porque ele é o nosso Guruji, com todo o respeito a Shri K. Pattabhi Jois. 

Inspirei e expirei e fui para trás, uma, duas, três vezes, na quarta completei o movimento com a sua ajuda, toquei com as mãos no chão, caminhei para dentro da postura, disse-me baixinho para caminhar mais, quando as mãos  já tocavam os calcanhares, agarrou-me numa das mãos e levou-a acima do tornozelo, agarrou a outra e levou-a  acima do outro, disse-me outra vez baixinho, respira. Ali fiquei estável, pernas esticadas, a respirar, sem tensão, sem contração, sem restrição. Entregue a ele. Entregue ao Yoga. Quando me mandou tirar as mãos, subi com o tronco à verticalidade, sorri para ele, cá dentro agradeci-lhe, cá dentro sinto gratidão por mais uma vez receber esta inspiração para continuar a praticar, estudar, reflectir e sentir.


Foto retirada de pesquisa online.

We are in the time of the monsoon,  rains several times a day,  and i end up being more at home, with more time to study, reflect and feel. Mornings are spent in Shala, practice begins early, i walk through the streets of Gokulam few minutes before 5 am, to enter in the recognized KPJAYI.
I am part of the first shift, and so this time I  can choose the place I want, but I have stretched my mat in the same place for this last four weeks! I choose this, as i could choose any other, no matter where i am, near the door, on stage, on the back near the windows which lets in the breeze, or near the changing rooms, or any other.

Is not just this that is different, i feel that the Shala energy  is also not equal, perhaps because we are so much less practitioners, or perhaps because we all acquaintances, from other trips, other years. The practice has also been particularly special, i feel that we're all, day after day, having direct access to all that Sharath has sharing with us, all the information we are working in the theory classes,  perhaps this is the undoubtedly big difference, having access to this guidelines. There seems to be a delivery adjoining, a renewed willingness, an amplified inspiration. Here we are, day after day, surrender in experience in our bodies, the Ashtanga Yoga, which when done smoothly, really allows deep cleanse
 in our body, regain flexibility, strength, endurance, but also focus, concentration, mental peace.

When i came up from my last "bridge", i noticed he was there, so close that if extended my arm I would touched his. I smiled inside, because doing the dropbacks with him so close, is always funny, not to write other thing. I went down and came up with my breathing and Bandhas. The third time, he was closer to me, i crossed my  arms over my chest, my hands grabbing my shoulders to give start his adjustment  in this position, being adjusted by Sharath is not same with other teacher, because he is our Guruji, with all due respect to Shri K. Pattabhi Jois.

I inhaled and exhaled and went back once, twice, three times, on the forth i completed the movement with his help, i touch with the hands on the floor, walked into the posture, he softly told me to walk more, when my  hands touched my heels, he put my hand above one ankle, than he grabbed the other hang and took it to above the other ankle, he told me again softly, to breathe.
There i was stable, with the  legs straight, breathing, without tension, without contraction, without restriction. Surrender to him. Surrender to Yoga. When he told me to come up,  i release the ankles brought my trunk upright, i smiled at him,  inside me i thanked him,  inside me, i feel gratitude for once again receive this inspiration to continue to practice, study, reflect and feel.

Photo from online search.

1 comentário:

Lucas Carvalho disse...

É inspirador poder ter o Sharath tão perto todos esses dias... Lindo o seu texto Verinha!